Pedido enviado pelos Vizinhos de Belém

Jardim da Torre de Belém, como é habitual todos os anos, vive um acréscimo substancial de visitantes/utilizadores entre o início da Primavera e o final do Verão. Esse acréscimo reflete-se das mais variadas formas, com particular destaque para a produção e acumulação de resíduos.

Desde ananases e abacaxis até caixas de pizza e garrafões de água de 5 litros, são muitos os resíduos que têm sido depositados nas papeleiras em toda a envolvente do Jardim. Em boa verdade, junto ao Espelho d’Água do Padrão dos Descobrimentos e ao Museu de Arte Popular (Farol), passa-se o mesmo. Essas zonas também devem ser tidas em conta.

70C37D47-62D1-4801-BC1E-09FF0A4C006A.jpg

0136F1B0-9F25-41A1-8F95-04536E1CD125.jpg

DE6D55B1-A4B2-409D-B8D6-A7337636ADFF.jpg

A5C7A074-4591-4BC9-8E0E-523943986C2A.jpg

Embora reconheçamos que as equipas recolhem as papeleiras praticamente todos os dias, a verdade é que na nossa Frente Ribeirinha, por ação do vento, a acumulação de resíduos caídos ao redor das papeleiras facilmente acabará no Rio, como qualquer pessoa que observe o Jardim ao final do dia certamente percebe (o que levanta questões quanto ao impacto negativo que todos aqueles resíduos terão na biodiversidade).

Foi devido a esse receio que, já por duas vezes desde o início do Verão, dois Vizinhos voluntários fossem ensacar e apanhar resíduos já espalhados na Frente Ribeirinha em noites mais ventosas.

Em face do exposto, aquilo que propomos é que seja considerada a colocação temporária de caixotes do lixo de 240 litros, pelo menos aos fins de semana, junto às zonas de entrada e saída do Jardim, e principalmente junto aos quiosques móveis que existem na zona.

Certamente que tal medida não só facilitará a recolha e a limpeza do espaço, como também beneficiará as condições de salubridade do Jardim e da Frente Ribeirinha. Contudo, não sabemos se poderá ser operacionalizada. Pedimos que considerem exemplos como o Jardim Vasco da Gama, onde temos caixotes de 120 litros.

Também os comerciantes que aqui tenham as suas bancas, carrinhas ou quiosques, nomeadamente quem serve centenas de sumos de ananás/abacaxi por dia, produzindo toneladas de resíduos que nem sequer se preocupam em compostar (e a recolha de resíduos orgânicos ainda não existe na nossa Freguesa), deverão ser sensibilizados mais uma vez.

6A6C4FC3-662C-4519-A40F-341B9B7574DE.jpg

7E02F3FE-E027-4215-9062-7C5159243796.jpg

A9D7F066-5DEA-468A-BE57-26DE398C607E.jpg

5B9C1AD6-090C-438A-AB62-E79F0B860FA1.jpg

Estamos disponíveis para articular com a Câmara Municipal de Lisboa qualquer ação que considerem oportuna para melhorar esta realidade, incluindo os contactos com outras entidades, nomeadamente com a Administração do Porto de Lisboa sobre áreas que sejam da sua jurisdição.

Aproveitamos esta oportunidade para relembrar que ainda não recebemos qualquer resposta aos nossos últimos e-mails relativos a:

  1. Pedido de relocalização do Vidrão na Calçada da Ajuda, que articulámos com a Junta de Freguesia da Ajuda, na zona de fronteira;
  2. Pedido de informação/reavaliação da periodicidade da recolha de plástico no Bairro de Caselas e do Restelo;
  3. Pedido de cópia dos materiais gráficos em formato PDF para afixar nos condomínios a fim de promover a reciclagem (a aguardar pelo DMCom).

IMG_4561.jpeg

50AA2B19-D308-42FD-9AE8-55E863425CCE.jpg

Resposta da Câmara Municipal de Lisboa

A aguardar.